Colunista - Manu Drumond

O QUE VOCÊ QUER DEIXAR EM 2017?

23/11/2017

Vai chegando o final do ano, vem o Natal, vem Simone com seu ‘então é natal’ nas lojas, as bolas coloridas, luzes e enfeites nas árvores, papai noel que assovia, que solta bola de sabão e até dança o pancadão. Tá tudo aí. E, olha, que desespero!

É automático o pensamento: o que eu fiz neste ano? Não precisa nem da Simone perguntar, porque nós o fazemos de imediato a cada olhada no calendário.

Começamos a adiar todo e qualquer plano maior com a velha desculpa de “este ano já não dá mais, né?!”. Na sequência partimos para os planos e listas de “ano que vem eu faço”, “ano que vem eu me organizo melhor”, “ano que vem é outra história” e por aí vai.

Mas, como gosto mesmo de tentar olhar pro outro lado e sair do óbvio, lanço a pergunta fatal: o que você quer deixar em 2017?

A ideia é bem simples: o que você precisa tirar, deixar pra trás pra que um espaço se abra e novas possibilidades surjam? Fico me perguntando como eu posso querer ser uma pessoa mais organizada em 2018 se não deixar em 2017 aquela velha mania de nunca anotar nada? Como eu quero fazer novas conexões se não deixar pra trás minha eterna preguiça de ir a novos lugares?

Talvez daí possa nascer uma lista mais condizente e otimista para o novo ano. Uma lista mais coerente pensada no que fica em 2017 para que algo novo nasça em 2018.

Se você é dessas pessoas (tipo eu) que gosta de materializar pra ter mais força, escreva em pedaços de papel tudo aquilo que você quer deixar pra trás, amasse cada uma destas palavras com vontade e jogue no lixo. Vale depois registrar o que de bom irá nascer no espaço que ficou. É um ritual sincerão entre você e seu eu.

Não é mágica, nem mais uma dica sensacional que vai mudar sua vida, é só reflexão mesmo. É jogar luz no que te prende realmente de alcançar os seus objetivos. Um olhar diferente para aquilo que se repete, como os finais de ano. Ah! Em 2017 eu quero deixar o meu medo pra que em 2018 uma Manu mais confiante nasça.

E você?

Com amor,

Manu. 

 

Manu Drumond é viciada em café, é apaixonada por pessoas e suas histórias. Nasceu no interior de Minas, mas fez de Beagá seu lar. Formada em Jornalismo e especialista em Redes Sociais.  [email protected]